sábado, 16 de julho de 2011

Pagar para viver?!

Precisamos mesmo disso?!


A $ociedade está cada vez mais na (PÉSSIMA) vibe de que "o que se paga é melhor..." ou "se tiver que pagar, ora, EU PAGO!"

Dando a passada semanal no blog do APS para saber o roteiro do passeio dominical, vi a seguinte nota sobre o grupo Ciclo Adventure:

CICLO COMUNICA - Olha, aí, gente, o Ciclo Adventure informa que, a partir de agosto, haverá uma taxa de dois reais para cada ciclista que participar dos passeios às terças-feiras à noite. O valor, de acordo com o diretor Alcides Neto, objetiva "proporcionar maior conforto aos associados, que terão carro de apoio, reboque de bike, primeiros socorros e mecânico, durante todo o percurso, sem custo adicional".

SEM CONFUSÃO - O aviso acima é do http://www.cicloadventure.com.br/. Não confundir com outros grupos noturnos que também saem às terças.

No país do futebol (se é que ainda é assim) pagar para jogar bola é triste. As pessoas esqueceram que se pode colocar uma barrinha na praia ou usar dois pares de sandália para fazer uma barrinha no meio da rua ou até mesmo que existem algumas praças pela cidade que tem traves e possibilitam o futebol como um entretenimento gratuito e saudável.

Com a bicicleta funciona no mesmo esquema. Uma pena que a gente tá longe de ser chamado "o país das bicicletas" (apesar de estarmos entre os 10 maiores produtores de bicicletas do mundo), mas a bici é um entretenimento gratuito e saudável como o futebol. Podemos falar que a bicicleta além de diversão é um transporte (gratuito e saudável), porém hoje eu vou falar de BICICLETA COMO UM LAZER (ou como um negócio!).

Pagar para poder pedalar também é uma coisa triste e está virando moda nos grupos de ciclismo de Recife. E como eu falei no início do texto, a sociedade "acha bom" pagar. Como não bastasse o "orgulho" de ter bicicletas de 11 mil reais apenas para brincar de ciclista numa terça à noite SEM CHUVA, agora precisa pagar o "ingresso" para a brincadeira.

Não me venham com essa de que: "Ahhhh, oferecemos carro de apoio, la la la-la la la..." Quem sai de casa para pedalar NÃO QUER ANDAR DE CARRO DE APOIO... O apoio pode ser de mecânico, rotas, mas de carro não! Também não venham com "Ahhhh, tem gente que cansa no meio do caminho..." É melhor procurar passeios dentro dos seus limites físicos para não "passar essa vergonha".

Se o grupo precisa de ajuda para equipamentos (rádios, coletes, materiais de primeiros socorros, ferramentas de mecânica rápida, câmaras de ar, entre outros) pode pedir aos frequentadores numa forma de doação VOLUNTÁRIA. Mas essa obrigatoriedade de pagamento é uma coisa estúpida.

Creio que podemos mudar um pouco dessa besteira de "PAGAR TUDO!". Já bastam os impostos que precisamos pagar para ter uma bola, uma bicicleta ou uma roupa. Daqui a pouco teremos de pagar pelo consumo de ar dos pulmões, pelos km rodados de bike, pelos km caminhados nas calçadas ridículas que temos nas cidades. Não precisamos pagar para estar em grupo, mas quem quiser pagar, VÁ AO CICLO ADVENTURE ou QUALQUER OUTRO GRUPO QUE COBRE INGRESSO. Caso não queira pagar, vá pedalar com seus amigos ou vá para GRUPOS QUE NÃO COBREM INGRESSO.



Fé em Deus e força no pedal!

9 comentários:

  1. Ênio. Concordo em parte com o que vc postou. Mas como em tudo, existe uma grande variedade de ciclistas. Muitos saem nos grupos por acharem que é mais seguro, tem medo de ficarem sós em um lugar "perigoso" do Recife. Vc sabe que tem isto e muito por ai. Eu já contei com carro de apoio uma vez, porque foi o que deu, para não ficar em Santo Amaro com o guidon partido e sozinho, 22h! Era muito arriscado! Acontece que tem grupos, como o Coruja, que não cobra pelo apoio. Faz como voluntários. E tem outros, com o Ciclo, mantido a duras penas pelo Netto, as custas dos serviços, alugueis e esquemas turisticos dele. Não acho nada demais cobrar pelo apoio, pode chamar isto de empreendorismo. Não vejo por que ele deve oferecer isto de graça. Vai quem quer e quem tem medo e quer se sentir seguro! Quem é destemido ou nada tem a perder se subir mais cedo, deve considerar que existem outras pessoas, que têm filhos e outros compromissos que não podem prescindir dele - por enquanto!...

    ResponderExcluir
  2. Pois é, meu amigo Paipa. Acho que Rogério esclareceu bem quando se referiu aos serviços, alugueis e esquemas turísticos do Ciclo. BJ grande. Roberta

    ResponderExcluir
  3. A crítica é direta para o Ciclo Adventure... + a reflexão é geral...

    Acho que tudo bem de se ter uma empresa que faça passeios turísticos, uma empresa que faça serviços de oficina, uma empresa que alugue bicicletas (FANTÁSTICO)... Isso é empreendedorismo!!!

    + cobrar INGRESSO para ir num passeio eu acho o fim!

    Primeiro, não acho passeios noturnos turísticos... Para falar a verdade, dos grupos de Recife, acho que o único que tem o cuidado de ponto turístico é o APS, que sempre deixa uma nota do local (destino) com informações que TURISTAS querem saber.

    Segundo, conserto num passeio é um incidente... ninguém vai pro passeio para furar um pneu... Então, no mínimo é pedir para que cada um carregue equipamentos, ou então, oferecer o serviço da OFICINA FÍSICA no passeio cobrando os mesmos valores, já que o mecânico vai passear tb e não fazer hora extra.

    Terceiro, aluguel de bicicletas lógico que tem que ser pago! (ou não, vai na bicicletada que sempre rolam bicicletas emprestadas gratuitamente...) Pode levar as bicicletas que são certas de alugar e pronto... Não precisa levar todas possíveis esperando supostos usuários.

    Quarto... LIVREM-SE DOS CARROS!!! Meu Deus!!! O Guidom quebrar em Sto Amaro ou em Boa Viagem pra mim é a mesma coisa. Se leva o carro por questão de passar por "lugar perigoso" é só pensar em outra rota... E não venha com essa de "Ahhhh, pra todo canto que a gente quiser ir vai passar por um lugar perigoso" Meu amigo, quem tiver com essa mentalidade, é melhor comprar uma bicicleta ergométrica e ficar pedalando em casa!!!

    QUINTO... Não diga que um lugar é perigoso se você não conhece... Santo Amaro é um bairro bem dinâmico, onde as pessoas jogam bola na praça, onde tem academia gratuita com equipamentos feitos de "lixo"... As pessoas saem de casa para conversar, uns para fumar maconha, MAS ISSO É O QUE MAIS TEM NOS CONDOMÍNIOS DE ALTO LUXO... Em Sto Amaro tem ladrão.. LÓGICO, mas posso dizer que não é apenas a sorte que anda do meu lado nesses período de MAR/10 até hoje de não me fazer NEM UM SUSTO DE RISCO DE ASSALTO...

    Vou parar por aqui, pois o próximo texto vai ser sobre o "MEDO" de ser livre...

    Abraços!

    ResponderExcluir
  4. Por uma lado, a justificativa de oferta de serviço de aluguel e turístico parece realmente interessante para incentivar os "pais e mães de família" e praticar uma atividade com benefícios para além do corpo.

    O que me incomoda é a cobrança sem fim por serviços que podem sim ser realizados de graça e que poderiam acompanhar outras atvidades: por que não oferecer oficinas de reparos básicos em bicicleta? Por que não oferecer alternativas que dê condições às pessoas de sentirem-se aptas a poder pedalar sem carro de apoio e outros confortos que nos deiam mais cômodos e menos atentos ao meio que usamos para deslocar ou por simples prazer de flanar de bicicletas duas vezes por semana?

    Vejo no caso desses passeios, uma espécie de Bolsa-Família ao contrário Ora se muitas pessoas classe média reclamam que a "esmola" dada pelo Governo com o intuito de tirar milhões de pessoas da linha de pobreza, mas que parece não ter fim, passeios ciclisticos pagos funcionam numa lógca inversa, mas igualmente perversa: a de o serviço pago é nelhor. Argumento este que muitas vezes [apesar de alguns insistirem que não] automaticamente invalidam as pessoas que a duras penas, sem carro de apoio, sem guincho de bicicleta, sem camisa e sem pagamento podem oferecer a mesma experiência agradável de poder conhecer a cidade.

    No fim das contas, acho que não prevalece a lógica do "vai quem quer", mas sim do "vai quem pode pagar", que aliado a exigências como uso do capacete obrigatório e uso de camisa, parecem afastar um universo ainda maior de pessoas que as que se acham iguais e são inúmeras mas não maioria a engrossar a lista de veículos na Jaqueira para experiências limitadas de acesso a cidade...

    Depois não reclamem dos buracos, que a cidade é ruim, que tem violência, bla bla bla.

    Gostei muito do post, Enio: direto e provocativo.

    Abs,
    Lucio

    ResponderExcluir
  5. Paipa vou te dizer, eu no passado já andei no Cicloadventure, pois é um passeio melhor do que o do Coruja e ainda tem sempre carro de apoio nos passeios o que convenhamos é algo interessante quando a bike quebra, ele Alcides Neto(o dono), pedia uma contribuuição voluntária o que não era um problema pois dava quem queria ou podia, agora como vc mesmo disse estabelecer ingresso para algo, que ainda é sem pedágio(andar nas ruas) e atirar no próprio pé!quem deve estar achando ótimo é o Corujaqueira que com essa iniciativa bura do Neto provavelmente a maioria dos que hj andam com ele irão migrar para o Corumoleza!
    Graças a DEUS que não ando na terça em nenhum dois pois evolui o meu pedal e tou andando no Pedal clube que tem os melhores roteiros de passeio ciclistico noturnos do Recife, pois em Olinda existe o excelente grupo Bike Amigos de Olinda que tem excelentes roteiro feito pelo Pedro Rios. E o meu querido APS continua imbatível com os seus roteiros diurnos. Abraço grande irmão do pedal

    ResponderExcluir
  6. SHOW DE BOLA E PEDAL o post ênio. É um tremendo equívoco a iniciativa do pagamento.
    Você tem PLENA razão. Adorei quando você disse sobre o orgulho de ter uma bike de 11 mil,,, e te ratificando,, eu pedalei uma vez com um cara dono de uma bike de 18 mil cara. Só elucidando. Abraço!!

    ResponderExcluir

Oxee... comenta aí...